Arquitetura Design

Design Gráfico e Arquitetura: um caminho colaborativo

28 de janeiro de 2021

Claramente, designers gráficos não são arquitetos, mas projetos colaborativos entre esses dois campos do saber que se interseccionam em seus detalhes, podem vir a funcionar bem.

A indústria criativa como um setor evoluiu e muitas pessoas agora estão em novos campos. Se você está colaborando, pode avançar rapidamente e já falamos disso aqui. A tendência é ser colaborativo, e muito diferente de 25 anos, quando você deveria ser um designer gráfico sozinho fazendo layout e gramaturas de papel ou um arquiteto isolado num escritório em seu autocad.

“É um grande passo do design gráfico à arquitetura, mas é apenas um passo”, diz Thomas Widdershoven, cofundador do estúdio holandês Thonik, que acaba de se mudar para um estúdio projetado por conta própria em Amsterdã.

design grafico e arquitetura
Edifício da Thonik com a MMX Arquitetos
Fonte: Creative Review

O prédio em questão – que é totalmente envolto em listras preto e branco – levou 12 anos para ser construído e apresentou vários desafios legislativos e de design ao longo do caminho. De acordo com Widdershoven, é raro que estúdios de design em Amsterdã possuam seus prédios de estúdio, o que significa que era difícil para eles encontrar um espaço adequado para comprar. Em vez disso, eles conseguiram colocar as mãos em um terreno difícil de propriedade do governo da cidade, que havia sido rejeitado pelos incorporadores imobiliários usuais que iriam construir nele.

Em primeiro lugar, Widdershoven diz que o estúdio teve de convencer as autoridades a deixá-los construir um metro extra na calçada, para reivindicar algum espaço extra para o prédio. Felizmente, como a estrada está localizada em uma antiga ferrovia, muitos dos outros edifícios próximos também não estão totalmente alinhados, então eles tiveram um argumento convincente.

Em seguida, eles iniciaram o processo de design, trabalhando em estreita colaboração com a MMX Architects para que tivessem um parceiro experiente para compartilhar ideias e garantir que seu design fosse possível.

Por serem designers gráficos, Widdershoven a sua sócia, Gonnissen, basearam todo o edifício em uma grade, dispensando totalmente a ideia de colunas internas, que perturbariam o ritmo do vidro e das paredes. Eles deslocaram a escada de incêndio para o exterior do edifício para adicionar espaço interior, criando uma linha diagonal . As janelas de canto do chão ao teto foram outra parte essencial do projeto. Será mesmo que se não fosse esse olhar do design o edifício seria tão icônico?

A dupla também teve a arquitetura existente como referência para seu próprio projeto. Gonnissen diz que eles pensaram muito sobre os edifícios que viram durante as viagens a Tóquio, onde blocos de escritórios com formatos incomuns costumam ser colocados em espaços minúsculos. “Tínhamos um terreno muito pequeno e queríamos fazer algo especial com ele”, diz ela. “Queríamos criar algo que pudesse realmente se destacar de alguma forma como um ícone, mas também se fundir com o ambiente. Queríamos alcançar os dois lados, e aqueles pequenos prédios japoneses realmente nos inspiraram. Esperávamos construir algo assim a partir de nossa própria visão criativa. ”

E embora este tenha sido o primeiro e mais importante projeto arquitetônico, a abordagem distinta de Thonik ao design gráfico é evidente no edifício – particularmente em sua fachada listrada e escadarias cobertas de padrões.

design grafico e arquitetura
Edifício da Thonik com a MMX Arquitetos
Fonte: Creative Review

“Tínhamos experiência com supergráficos no passado, então essa era uma maneira de ir do 2D para o 3D”, diz Gonnissen sobre a mudança mental do design gráfico para a arquitetura. “Acabamos de mudar no tempo, da impressão ao design de movimento e dos supergráficos à arquitetura. São mais ou menos as mesmas etapas. Sabíamos o que as listras podiam fazer em grande escala”, disse Widdershoven. “Colocar as listras é algo que os arquitetos nunca pensariam. É uma ferramenta típica de design gráfico para trazer vivacidade e equilíbrio a diversos elementos. ”

Para Gonnissen, todo esse discurso é parte de uma conversa maior que precisa acontecer. Ela acredita que designers de todos os tipos precisam ser trazidos para conversas sobre questões sociais e outros desafios maiores, muito mais cedo.

Mais do que apenas a aparência do edifício, a Thonik estava determinada a criar um espaço “totalmente flexível”. Eles garantiram que haja um mínimo de paredes de suporte no edifício, o que significa que as áreas podem ser reorganizadas para espaços residenciais, de varejo, restaurantes ou eventos.

As paredes não sustentáveis ​​são feitas de estantes que podem ser movidas facilmente e os interiores em si são mínimos – embora a Thonik tenha adicionado alguns de seus tapetes estampados gráficos auto-projetados, bem como outras peças criadas em colaboração com designers de produto.

É interessante que pós-pandemia, todos nós colaboremos juntos, sejam arquitetos e designers ou engenheiros e ambientalistas. É preciso que todos vivamos juntos de uma certa forma e comecemos a conversar e pensar sobre isso. O Fórum Econômico Mundial cita que a colaboração entre diferentes áreas vai ser uma das ferramentas poderosas da criatividade do século XXI.

Configurar e gerenciar essas amplas redes de colaboração e aproveitar seu potencial ainda é um território desconhecido para a maioria das empresas e profissionais. Mas aqueles com visão de futuro podem capitalizar o poder potencial dos ecossistemas e colher enormes benefícios, ficando melhor posicionados num mundo de mudanças e transições.